Páginas

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Após massacre de centenas, Egito tem mais confrontos com mortes

Manifestantes islamitas voltaram às ruas do Cairo e de Alexandria nesta quinta-feira (15), um dia após a violenta dispersão dos acampamentos de manifestantes no Cairo ter deixado pelo menos 525 mortos, 482 deles civis.
Novos incidentes já deixaram pelo menos cinco policiais mortos, segundo as forças de segurança. Quatro mortes ocorreram em Al-Arish, no norte do Sinai, e uma em Assiut.
Manifestantes incendiaram a sede administrativa do governo de Gizé, no Cairo, anunciou a rede de televisão estatal egípcia. A sede do governo de Gizé, província que faz parte da metrópole Cairo, estava em chamas, segundo imagens da rede de televisão CBC.
Centenas de islamitas também foram às ruas de Alexandria, desafiando o estado de emergência adotado na véspera.
O governo do Egito, em comunicado, disse que está determinado a enfrentar o que chamou de "atos terroristas" cometidos por membros da Irmandade Muçulmana.
A quarta-feira foi o dia mais violento desde a revolta que derrubou o ditador Hosni Mubarak do poder, no início de 2011.
As duas praças em que os islamitas faziam vigília foram invadidas e violentamente desalojadas pelas forças de segurança e pelo exército.
Após os confrontos, o exército instaurou estado de emergência durante um mês no país, com um toque de recolher no Cairo e em metade do Egito, das 19h (14h0 de Brasília) às 6h (1h).
O governo do Egito anunciou ainda o fechamento por tempo indeterminado da passagem de fronteira com o território palestino da Faixa de Gaza.
Centenas de trabalhadores palestinos atravessam todos os dias a passagem de Rafah, na península do Sinai.

Lucro da Caixa atinge valor recorde de R$ 3,1 bilhões no 1º semestre

A Caixa Econômica Federal registrou lucro líquido de R$ 3,1 bilhões no primeiro semestre de 2013, um crescimento de 10,3% sobre o mesmo período do ano passado, e recorde em relação aos primeiros semestres dos anos anteriores, divulgou nesta quinta-feira (15) o banco.
No segundo trimestre, o lucro líquido foi de R$ 1,8 bilhão, aumento de 39,7% em relação ao primeiro trimestre do ano.
As receitas totais atingiram R$ 45,8 bilhões, um aumento de 16,5%, enquanto as receitas com operações de crédito alcançaram R$ 20,8 bilhões, acréscimo de 25,9%.
O retorno sobre o patrimônio líquido médio anualizado foi de 26,7% no semestre.
De acordo com a divulgação, o índice de inadimplência fechou em 2,27% no primeiro semestre, abaixo do percentual apresentado em março de 2013, de 2,34%, e do percentual médio do mercado, de 3,40%, diz o banco.
No semestre, foram contratados R$ 197,3 bilhões em crédito, 46,3% a mais do que o registrado no mesmo período de 2012, diz.
A carteira de crédito alcançou saldo de R$ 431,3 bilhões, crescimento de 42,5% em 12 meses e participação de 16,95% no mercado, afirma.
A Caixa destaca o crédito habitacional, cuja carteira atingiu saldo de R$ 238,5 bilhões, crescimento de 34,6% nos últimos 12 meses. A instituição financeira é líder no segmento, com 69,1% do mercado.
Os financiamentos imobiliários somaram R$ 66,1 bilhões no primeiro semestre de 2013, evolução de 43,9% em relação ao registrado no mesmo período de 2012. As operações com recursos de poupança (SBPE) totalizaram R$ 30 bilhões, e as linhas que utilizam recursos do FGTS, R$ 23 bilhões.
Dentro do programa do governo federal "Minha Casa Minha Vida", a Caixa diz que contratou R$ 28,5 bilhões no período, beneficiando 1,5 milhão de pessoas com 378,9 mil unidades habitacionais. Desse valor, 58% foram destinado a famílias com renda de até três salários mínimos, diz.
A instituição financeira destaca a conquista de 3,6 milhões de novos clientes no semestre, totalizando uma base de 68,8 milhões de correntistas e poupadores.
Com isso, as captações apresentaram saldo de R$ 543,3 bilhões em junho de 2013.
A poupança atingiu saldo de R$ 189,7 bilhões, crescimento de 17,2%.
Os depósitos e letras alcançaram saldo de R$ 403,8 bilhões, aumento de 27,9% em relação a junho de 2012, com captação líquida total de R$ 27,6 bilhões, evolução de 12,9% em relação ao mesmo período de 2012.

MEC prorroga prazo para instituições federais aderirem ao Programa Mais Médicos

O Ministério da Educação (MEC) prorrogou o prazo para as instituições federais de ensino superior aderirem ao Programa Mais Médicos. De acordo com portaria publicada na edição de hoje (15) do Diário Oficial da União, a nova data limite para o envio do termo firmando adesão é a próxima terça-feira (20). Antes, as instituições que aderissem previamente ao programa tinham dez dias, a partir da divulgação da validação do cadastro pelo MEC, para firmar o termo de adesão.
O documento (termo de adesão) está disponível para assinatura das instituições no link http://simec.mec.gov.br. Ele estabelece que, entre as obrigações das entidades, estão: coordenar o acompanhamento acadêmico do programa, selecionar supervisores, monitorar e acompanhar as atividades dos supervisores e tutores acadêmicos, ofertar os módulos de acolhimento e a avaliação aos médicos estrangeiros e oferecer cursos de especialização e atividades de pesquisa, ensino e extensão aos profissionais participantes.
Ainda na edição de hoje do Diário Oficial da União, outra portaria também prorroga para a próxima terça-feira (20) o prazo para apresentação do termo de pré-adesão ao programa para instituições públicas estaduais e municipais de educação superior e de saúde, programas de residência em medicina de família e comunidade, medicina preventiva e social e clínica médica, e de escolas de governo em saúde pública.
A seleção desse tipo de instituição só ocorrerá nas unidades da Federação onde não houver adesão de instituição federal de educação superior.
O Programa Mais Médicos foi lançado pelo governo federal em julho, para levar profissionais de saúde a municípios onde há falta de profissionais, especialmente nas regiões Norte e Nordeste e em periferias de grandes cidades. Na primeira edição, o programa selecionou 1.618 profissionais, conforme balanço da primeira fase do programa, divulgado ontem (14) pelo Ministério da Saúde. Agência Brasil

Bomba em Amor à Vida: Nicole não morreu; está viva

Nicole (Marina Ruy Barbosa) não vive como um fantasma em Amor à Vida, da Globo, como todos pensam. Ela está viva! Segundo o jornal O Dia, nos próximos capítulos, a jovem vai mostrar que de bobinha não tem nada. Ao descobrir a traição de seu noivo Thales (Ricardo Tozzi) com a falsa amiga Leila (Fernanda Machado), Nicole forjou a própria morte para se vingar dos dois.
Mas a órfã não colocará em prática seu plano de vingança sozinha. Sophia Abrahão, que entra na trama de Walcyr Carrasco em breve, será a grande aliada da milionária.
A publicação destaca que as cenas do flashback, em que a Nicole aparece fazendo o testamento, são todas falsas. Ela simulou sua morte, mas está escondida, agindo com a ajuda de Lídia (Ângela Rebello) e dos médicos Rogério (Daniel Rocha) e Vinicius (André Garolli).
Mas quem vai ajudá-la no plano maquiavélico será a personagem de Sophia Abrahão (ainda sem nome definido na ficção). Nicole vai pedir para ela seduzir o ex-noivo, já que tem semelhanças com ela: é branquinha e ruiva. Depois, a personagem de Sophia vai fazer ele perder tudo.
“Será um troco bem dado. É história da falsa sedução que se repete”, disse uma fonte ao jornal O Dia Ângela Rebello, que vive a governanta na novela, garante não saber sobre o assunto.
“Se for verdade, será uma bomba. Sem dúvida, é uma virada muito genial do Walcyr. Mas, se não acontecer isso, sei que outras novidades virão. Estou chocada. Posso jurar que ninguém me falou nada sobre a Nicole estar viva. Mas isso é sensacional, é um tufão que passa pela gente e é muito motivador. Mexe com a adrenalina dos atores e do público", vibra a atriz.
Fonte: O Fuxico

Prefeitura de Messias Targino/RN realiza Dia “D” da Saúde do Homem

 Com o intuito de informar e conscientizar a população masculina sobre a importância da prevenção para a sua saúde, a Prefeitura de Messias Targino/RN através da Secretaria Municipal de Saúde realizou nessa quinta-feira (15) a campanha "Homem que se cuida vive mais e melhor".
Durante o evento, que aconteceu no Centro de Cultura e Evento foram entregues à população panfletos explicativos sobre diferentes assuntos ligados à saúde masculina. Os folhetos também continham informações para se manter uma vida mais saudável. antes da palestra a Bioquímica Verônica Jales falou dos procedimentos que cada homem deve tomar antes da realização dos exames de sorologia. Logo após foi ministrada uma palestra com o médico Dr. Bruno Vidal sobre Câncer de Próstata e de Pênis.
Próstata é uma glândula do sistema reprodutor masculino, que produz e armazena parte do fluido seminal. Câncer de próstata é o tumor mais comum em homens acima de 50 anos. Os fatores de risco incluem idade avançada (acima de 50 anos), histórico familiar da doença, fatores hormonais e ambientais e certos hábitos alimentares (dieta rica em gorduras e pobre em verduras, vegetais e frutas), sedentarismo e excesso de peso.
Os negros constituem um grupo de maior risco para desenvolver a doença.
a banda de Musica Filarmônica do Município de Messias Targino também fez uma apresentação.
Após a palestra foi sorteado brindes entre os participantes.
Fonte: http://prefeiturademessiastargino.blogspot.com.br/

Vereadora é impedida de assumir cargo no Irã por ser 'bonita demais'

Uma jovem candidata a vereadora no interior do Irã foi impedida de assumir o cargo por ser "bonita demais", segundo a imprensa local.
Candidata em Qazvin (norte), Nina Siahkali Moradi, 27, obteve 10 mil votos na eleição ocorrida junto com o pleito presidencial, em junho.
O resultado a colocou na 14ª posição num ranking que qualificava os 13 primeiros entre 163 candidatos.
Com a desistência do primeiro colocado, Moradi entrou na lista dos vencedores. Mas conservadores barraram sua ida à prefeitura.
"Seus votos foram anulados por [causa de] suas credenciais", disse Reza Hossaini, do comitê local de monitoramento de eleições.
"Não queremos uma modelo desfilando na prefeitura", disse um clérigo local.
Seus adversários já a haviam acusado de manter comitê de campanha que atraía comportamentos incompatíveis com valores islâmicos.
Moradi conquistou apoio ao defender direitos da mulher e incentivos culturais.
O incidente contraria esforços do novo presidente iraniano, Hasan Rowhani, que acaba de nomear uma vice-presidente como parte da promessa de promover direitos da mulher.

Economia do país cresce 0,89% no 2º trimestre, diz Banco Central

A economia do Brasil teve crescimento de 1,13% em junho em comparação com maio, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (15) pelo Banco Central (BC). No 2º trimestre, o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) teve alta de 0,89%, na comparação com o 1º trimestre.
Em maio, de acordo com o BC, a economia do país havia registrado a pior queda desde dezembro de 2008, quando o indicador recuou 4,31%.
O índice é elaborado mensalmente pelo BC e é considerado uma prévia do PIB (Produto Interno Bruto) --que é calculado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) a cada trimestre e leva a um resultado anual.
O indicador do BC é visto pelo mercado como uma antecipação do resultado do PIB, e serve de base para investidores e empresas adotarem medidas de curto prazo. Porém, não necessariamente reflete o resultado anual do PIB e, em algumas vezes, distancia-se bastante.
No primeiro trimestre, por exemplo, o PIB cresceu apenas 0,6% em relação ao trimestre anterior, segundo o IBGE. Isso é metade do que mostrava o IBC-Br (alta de 1,22%). Em entrevista, um diretor do BC justificou a diferença, dizendo que o IBC-Br não tem a pretensão de medir o PIB, apesar de o mercado o usar como um balizamento.
O IBGE divulga os dados sobre o PIB do segundo trimestre no próximo dia 30.

Ex-mulher de Michael Jackson descreve abusos de médicos do cantor

Debbie Rowe, a ex-mulher de Michael Jackson e mãe dos dois filhos mais velhos do artista, declarou nesta quarta-feira (14), no julgamento civil pela morte do cantor, que o "rei do pop" tinha "uma tolerância muito baixa a dor" e que os médicos se aproveitaram dele.
Debbie, que trabalhava como enfermeira quando conheceu o ídolo pop nos anos 80, explicou que os médicos "pareciam competir" para ver quem era capaz de dar o analgésico mais forte ao artista, que começou a tomar a medicação depois do acidente ocorrido em 1984, quando participava das gravações de um comercial para uma marca de refrigerantes. Na ocasião, Michael teve seu couro cabeludo queimado no incidente.
"Michael tinha uma tolerância muito baixa para a dor. Seu medo de sentir dor era incrível e acho que os médicos se aproveitavam dele nesse sentido", comentou Debbie, segundo um testemunho recolhido pelo jornal "Los Angeles Times".
A mãe biológica de Prince Michael e Paris Jackson comentou como os médicos contatavam o cantor para lhe oferecer remédios mais potentes que o sugerido por outros colegas e, desta forma, obter a atenção do artista.
"Estes idiotas (os doutores) mantinham um 'aperta e afrouxa' constante e não se preocupavam com ele", relatou a ex-mulher, que, inclusive, chorou em vários momentos de seu depoimento.
Debbie citou como seu ex-chefe, o dermatologista Arnold Klein, e o cirurgião plástico Steven Hoefflin, que forneceram propofol a Michael Jackson várias vezes para anestesiá-lo durante procedimentos médicos, como a aplicação de botox. Segundo ela, Klein também receitou propofol ao Michael Jackson.
O "rei do pop" morreu em junho de 2009 por uma overdose de remédios, principalmente de propofol, substância que foi receitada pelo médico Conrad Murray, que foi condenado a quatro anos de prisão por homicídio involuntário.
Debbie explicou que, em algumas ocasiões, as extensas cicatrizes do nariz de Jackson dificultavam sua respiração e, por isso, necessitava de injeções de esteroides para reduzir o inchaço.
Hoefflin, segundo a ex-mulher do artista, deixou Jackson inconsciente pelo menos em duas ocasiões com propofol no momento em que o artista tinha problemas com seu nariz.
Jackson e Debbie se casaram em 1996 e, três anos depois, se divorciaram. A mulher cedeu os direitos da guarda das crianças ao artista em troca de US$ 8 milhões.
O depoimento de Debbie fez parte do longo julgamento em que a mãe do "rei do pop", Katherine Jackson, enfrenta a promotora de shows AEG Live, organizadora da esperada reaparição do cantor em 2009 e que nunca chegou a ser realizada.
De acordo com a mãe do artista, a AEG Live é a responsável civil pelo trágico fim de seu filho, já que, segundo ela, a empresa não cuidou devidamente de sua saúde e que, por isso, deve indenizá-la e os filhos de Michael Jackson com uma quantidade multimilionária.
Fonte: UOL